Papa Bento XVI anuncia renúncia ao pontificado

A Igreja Católica deve ter um novo Papa até a Páscoa.

Íris Mota
11/02/2013 - 23h59

Papa Bento XVI anuncia renúncia ao pontificado

 

O Papa Bento XVI anunciou na manhã desta segunda-feira (11) que vai renunciar ao pontificado no dia 28 de fevereiro. O anúncio foi feito pessoalmente durante uma reunião de cardeais. Bento XVI foi eleito para suceder João Paulo II, um dos pontífices mais populares da história. Ele foi escolhido em 19 de abril de 2005, quando tinha 78 anos.
O Papa, que atualmente tem 85 anos, justificou a decisão dizendo que está com a saúde muito frágil e idade avançada, por isso não tem mais condições de exercer adequadamente as funções do ministério. Nos últimos meses as aparições em público do Papa já mostrava a saúde debilitada dele. Muitas vezes era necessária ajuda para locomoção. Em 2010 o Papa já havia comentado sobre a possibilidade de renunciar à liderança da Igreja Católica. 
O pontífice ainda garantiu que tem total consciência da responsabilidade da importante decisão. De acordo com o Código de Direito Canônico, o Papa pode renunciar ao cargo, para isso basta que a renúncia seja feita por livre e espontânea vontade. Depois de anunciada a decisão o Papa não pode mais voltar atrás e não é necessária a aceitação de ninguém.
Há mais de 600 anos que um pontífice não renuncia à liderança da Igreja Católica. O ultimo a tomar esta decisão por vontade própria foi Celestino V, em 1924, após cinco meses de pontificado. Em 1415, Gregório XII renunciou a contragosto, apenas para encerrar uma disputa com um candidato rival.
Escolha do novo Papa
O padre Federico Lombardi, porta voz do Vaticano, comunicou na tarde desta segunda-feira que os católicos devem ter um novo líder até o dia 31 de março. Segundo ele, um conclave (reunião de cardeais para escolher novo Papa) será realizado de 15 a 20 dias após a renúncia oficial.
Todos os cardeais com idade menor de 80 são candidatos a Papa, e nesse caso o Brasil está representado por cinco nomes. Nesta lista estão o atual presidente da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), Raymundo Damasceno, de 75 anos; o arcebispo emérito de São Paulo, Cláudio Hummes, de 78 anos, e o arcebispo dessa mesma cidade, Odilo Scherer, de 63 anos.
Os outros cardeais brasileiros que podem estar entre os possíveis candidatos a suceder Bento XVI são João Braz de Aviz, de 65 anos e prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica no Vaticano e Arcebispo-emérito de Brasília, e o arcebispo de Salvador, Geraldo Majella Agnelo, de 66 anos.
Após a saída ou morte do papa, os assuntos da igreja ficam sob a responsabilidade do Cardeal Decano, ou Camerlengo. É ele quem convoca o conclave e reúne todos os 120 cardeais da Igreja Católica no Vaticano. Eles ficam isolados em celas particulares e se reúnem na Capela Sistina duas vezes por dia para votar, durante nove dias, ou pelo tempo necessário.
A eleição do novo papa tem desta vez um interesse especial para o Brasil, pois o Rio de Janeiro será sede, em julho deste ano, da Jornada Mundial da Juventude, na qual se espera a presença do pontífice.
 
Fonte: G1